Psicólogos do RS oferecem atendimento voluntário para afetados pelas enchentes

Nine
Psicologos-do-RS-oferecem-atendimento-voluntario-para-afetados-pelas-enchentes.jpg

- PATROCINADO -

As enchentes causadas pelas fortes chuvas no Rio Grande do Sul não trazem apenas impactos materiais. Os danos psicológicos serão sentidos a curto, médio e longo prazo, conforme explicam especialistas ouvidos pela CNN.

- PATROCINADO -

“Dentre as reações emocionais e comportamentais esperadas dessas vítimas, temos a própria tristeza, a angústia, a raiva, o choro, a preocupação com o futuro, a falta de apetite ou o excesso dele, e a insônia”, elenca Miriam Alves, presidente do CRPRS (Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul).

“Também tem a possibilidade de ampliação de sintomas psicológicos de pessoas que já necessitam de um cuidado de saúde mental prévio, assim como o aumento do uso de substâncias e as ocorrências de diferentes fatores de violência. Tudo isso são reações esperadas e temos que estar observando na prática, sobretudo, o que a psicologia pode oferecer”, afirma, em matéria publicada anteriormente pela CNN.

Para atender a essa demanda de apoio psicossocial às vítimas das enchentes, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) do Rio Grande do Sul está cadastrando profissionais da área, como médicos e psicólogos, para compor um banco de voluntários que poderão auxiliar os municípios afetados.

A psicóloga clínica Camilla Rodrigues é uma das voluntárias e atua na Escola Mesquita, na zona norte de Porto Alegre, um dos abrigos às vítimas das enchentes na região. À CNN, ela conta que, em um primeiro momento, a preocupação dos afetados era em estocar alimentos, roupas e produtos de higiene.

“Até então, eles estavam tranquilos, mas de uns três dias para cá, a ficha caiu”, relata. “Passamos de uma preocupação voltada à estocagem para uma preocupação voltada à angústia. Eles perguntavam: ‘Onde está meu familiar que está perdido?’, ‘Onde está meu cachorro que eu não consegui resgatar?’, ‘Você sabe se a minha casa foi levada ou não?’, ‘Perdi meus documentos, o que vou fazer?’, ‘Está chovendo de novo. E agora?’”, compartilha.  

A maioria dos familiares atendidos por Rodrigues é população ribeirinha que perdeu todos seus pertences com a enxurrada e as enchentes. “A maioria das casas não é de alvenaria, é de compensado e de materiais de reciclagem. Então, essas vítimas estão começando a perceber que não sobrou nada”, relata.

Diante desse cenário, o atendimento psicológico é voltado ao apoio prático. “Estamos fazendo a mediação da angústia dos pacientes e estamos seguindo o protocolo do Conselho Regional de Psicologia, que é oferecer escuta e não remexer no que aconteceu, apenas acolher, sem dar falsas esperanças”, completa Rodrigues.

Em seguida, é feita uma orientação do que o governo está oferecendo de recurso para as famílias atingidas, conforme explica Rodrigues, além de mapear os documentos perdidos pelas vítimas durante as enchentes. É feito, ainda, o restabelecimento de uma rede de apoio com familiares e conhecidos que não foram afetados diretamente pela tragédia.

Profissionais de saúde também são afetados

Em um cenário de desastre ambiental, como as enchentes do Rio Grande do Sul, os impactos à saúde mental são observados para além das vítimas diretas. Quem está na linha de frente na atuação de resgate e acolhimento da população afetada é impactado e, muitas vezes, precisa de ajuda.

- PATROCINADO -

A psicóloga Helen Barbosa dos Santos, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul da Pós-Graduação em Psicologia, também se voluntariou para atuar no atendimento das vítimas alocadas em um abrigo de Eldorado do Sul, uma das regiões mais afetadas pelas enchentes.

Em seu relato à CNN, a psicóloga conta que está surgindo uma demanda para atender os próprios profissionais voluntários.

“Quem está trabalhando na linha de frente acaba sendo vítima secundária da tragédia”, afirma a voluntária. Ela explica que as vítimas primárias são aquelas que foram afetadas diretamente pelas enchentes, com casa e outros pertences perdidos e familiares e amigos íntimos impactados também. Já as secundárias são aquelas que, de alguma forma, também estão observando as dores de quem sofreu essas perdas.

“O psicólogo está começando a acolher os profissionais que estão em estafa, que estão cansados e que estão, até mesmo, brigando entre si. Então, é preciso trabalhar em todas essas frentes”, relata.

É necessária a capacitação dos profissionais de saúde voluntários

Diante do cenário de desastre natural, o apoio psicológico deve ser capacitado, explica Helen Barbosa dos Santos. “É fundamental para a saúde mental não somente a escuta. É importante, também, trabalhar os fluxos de atenção, trabalhar as relações entre os profissionais voluntários e capacitá-los para fazer a primeira escuta da vítima, para saberem o que dizer e o que não dizer para as vítimas traumatizadas”, enfatiza.

O CRPRS, considerando o grande número de psicólogos que já estão atuando em abrigos, organizou rodas de orientação em emergências e desastres para profissionais interessados em ajudar, disponíveis em diferentes datas e horários. É possível ver a programação pelo site.

Para quem quer ajudar: Secretaria de Saúde cadastra profissionais voluntários

A Secretaria Estadual de Saúde está cadastrando profissionais da área da saúde para compor um banco de voluntários para atuar nos municípios afetados, incluindo psicólogos. A colaboração acontece em unidades de pronto atendimento, hospitais e demais serviços de saúde. O cadastro pode ser feito pelo site da secretaria.

O CRPRS enfatiza que somente profissionais graduados em Psicologia e regularmente inscritos no conselho estão autorizados ao exercício profissional.

Fonte: CNN

Compartilhe esta história
Deixe um comentário

Divulgação

50 Receitas Fitness

Curso de Massagem

Baixe o Aplicativo do NINE!

Um portal que vai te apresentar experiências em Turismo, Música, Gastronomia e muito mais.

Para acessar no celular, baixe o App do NINE.

Para IPHONE,
Clique em:

Nine Receba notificaçoes de novas histórias, notícias e experiências.
.
Ativar Notificações