Taxas de sífilis materna nos EUA triplicaram nos últimos anos, diz relatório

Nine
CNN Brasil

- PATROCINADO -

As mulheres que dão à luz nos Estados Unidos têm agora três vezes mais probabilidade de ter sífilis do que em 2016, de acordo com um relatório divulgado terça-feira (13) pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

- PATROCINADO -

O aumento acentuado dos casos de sífilis materna coincide com um aumento alarmante da sífilis congênita, ou seja, casos em que um bebê é infectado antes do nascimento. Nos bebês, a sífilis pode ser uma infecção grave, incapacitante e por vezes fatal.

Mais de 10.000 mulheres que deram à luz em 2022 tiveram sífilis, contra cerca de 3.400 casos em 2016, segundo dados do CDC. Isso representa cerca de 1 caso de sífilis materna para cada 357 nascimentos.

 

Outro relatório do CDC de janeiro mostrou que quase 3.800 bebés nasceram com sífilis congênita em 2022, um aumento de 10 vezes na última década e de 31% ano após ano; Esses casos causaram 282 natimortos e mortes infantis em 2022.

O aumento da sífilis congênita é um “resultado direto de mães não rastreadas e não tratadas”, disse a médica Irene Stafford, especialista em medicina materno-fetal da UTHealth Houston, que não esteve envolvida na nova investigação. A sífilis “é especialmente patogênica, especialmente infecciosa para o feto, e as taxas estão disparando”.

Para mulheres grávidas que estão nos estágios iniciais de uma infecção de sífilis não tratada, há cerca de 70% de chance de o agente infeccioso passar para o feto através da placenta, segundo Stafford. O risco é mais ou menos o mesmo em todas as fases da gravidez e apenas diminui ligeiramente nas fases mais avançadas da infecção.

A grande maioria dos casos de sífilis congênita nos EUA – quase 90% – poderia ter sido evitada com melhores testes e tratamento, de acordo com um relatório recente do CDC. O tratamento oportuno, pelo menos 30 dias antes do parto, reduz o risco de a infecção passar da mãe para o bebê em 98%.

Acesso desigual

Mas o acesso a este tratamento é escasso e desigual, dizem os especialistas.

“Atualmente, a grande maioria das pacientes grávidas não faz o teste. E mesmo que o façam, não recebem necessariamente tratamento correto”, diz Stafford.

- PATROCINADO -

Os testes rápidos, que permitiriam o início do diagnóstico e do tratamento na mesma consulta, são pouco utilizados em favor de outros exames mais detalhados, que podem levar dias para retornar resultados e exigir consulta de acompanhamento.

De acordo com o novo relatório do CDC, as taxas de sífilis materna são mais baixas entre as mulheres que iniciam o pré-natal no primeiro trimestre. São maiores, quase quatro vezes que a média, entre as mulheres que não recebem nenhum tipo de pré-natal.

As taxas de sífilis materna também são mais elevadas entre mães com menos de 25 anos e diminuem com o avanço da idade. A taxa entre as mulheres nativas norte-americanas que deram à luz foi cinco vezes a média, e as taxas entre as mulheres negras e nativas havaianas foram mais do que o dobro da taxa geral.

De acordo com Stafford, os padrões clínicos para testes de infecções sexualmente transmissíveis variam de estado para estado, e novos dados do CDC mostram que as taxas de sífilis materna variam amplamente em todo o país. Mas os casos estão aumentando como um todo; 40 estados viram as taxas de sífilis materna mais que duplicarem entre 2016 e 2022.

A taxa de sífilis materna para 2021-22 foi mais elevada no Dakota do Sul, um dos seis estados onde a taxa de casos aumentou mais de 400% desde 2016-17. A taxa é mais baixa no Maine, um dos três estados que não registrou um aumento significativo naquele período.

Em Novembro, a administração Biden anunciou que tinha criado um grupo de trabalho federal para enfrentar a “crescente epidemia de sífilis”.

O governo tomou algumas medidas concretas para enfrentar o desafio, como permitir temporariamente a importação de um medicamento alternativo para tratar a sífilis, num contexto de contínua escassez de tratamento de primeira linha, mas os especialistas temem que os esforços não sejam suficientes.

“Temos um enorme desafio pela frente e há alguns sinais encorajadores de que medidas estão para ser tomadas”, afirma David Harvey, diretor executivo da Coligação Nacional de Diretores de DST. “A má notícia é que não temos nenhuma indicação de que novos recursos ou financiamentos serão colocados na mesa. E a ausência de novos recursos significa que, em última análise, não seremos capazes de reduzir essas taxas.”

 

Fonte: CNN

Compartilhe esta história
Deixe um comentário

Divulgação

50 Receitas Fitness

Curso de Massagem

Baixe o Aplicativo do NINE!

Um portal que vai te apresentar experiências em Turismo, Música, Gastronomia e muito mais.

Para acessar no celular, baixe o App do NINE.

Para IPHONE,
Clique em:

Nine Receba notificaçoes de novas histórias, notícias e experiências.
.
Ativar Notificações