Roberto Kalil mostra rotina de pessoas com diabetes no CNN Sinais Vitais

Nine
5-e1689250224661.jpeg

- PATROCINADO -

Mais de um bilhão. Esse é o número de pessoas que vão ter diabetes até 2050, segundo novas estimativas da revista científica Lancet, divulgadas no final de junho.

- PATROCINADO -

“CNN Sinais Vitais”, com Dr. Roberto Kalil, vai mostrar como é a vida e a rotina dos pacientes diagnosticados com a doença, que provoca 1,5 milhão de mortes por ano, no episódio “Diabetes sob controle”, que vai ao ar neste sábado (15).

Desde o surgimento da insulina, há mais de cem anos, os medicamentos e pesquisas avançaram muito.

“Antes de 1921, quem tinha diabetes tipo 1 tinha por volta de 8 meses de sobrevida”, afirma a endocrinologista e diretora da Associação Diabetes Brasil, dra. Denise Franco.

Carmem Wills, aposentada de 90 anos e uma das pessoas com o diagnóstico mais antigo de diabetes no Brasil, é exemplo de como é possível viver bem com a doença.

Ela descobriu o diabetes tipo 1 em 1950, quando percebeu sintomas de apetite descontrolado, muita sede e desidratação. Na época, só havia um tipo de insulina, a insulina rápida, aplicada antes de cada refeição. Depois, veio a básica, chamada de NPH, feita do pâncreas de porco.

“A seringa era de vidro, eu tinha que ferver cada vez que usava e a agulha era grande, então as injeções não eram assim tão suaves. A gente também não tinha como controlar a insulina, tinha que recolher a urina em um tubo de ensaio, jogar um reagente, ferver, para ver a cor que ficava”.

Segundo o Dr. Domingos Malerbi, presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, “as coisas mais modernas em tratamento do diabetes tipo 2 são medicamentos que não só reduzem a glicose, mas protegem o rim e o coração dos efeitos da hiperglicemia”.

“As insulinas hoje são muito melhores do que as que havia há 50 anos. A forma de administrar a insulina também mudou, antigamente eram seringas de vidro, com agulha de metal, hoje você tem canetas muito modernas, muito fáceis de manipular”, acrescentou.

Desde 2019, o SUS disponibiliza as canetas de insulina, que têm aplicação fácil e praticamente indolor.

Outro tratamento que tem mostrado excelentes resultados é a terapia com células-tronco.

- PATROCINADO -

“É com muita satisfação que nosso grupo é pioneiro no mundo no uso de células-tronco em humanos com diabetes. Eu me lembro quando a gente começou com os resultados, se falava em cura, não é cura, eu adoraria falar que é cura, mas sem dúvida é uma maneira mais fácil de cuidar do diabetes”, afirma Dr. Carlos Eduardo Barra Couri, endocrinologista e pesquisador da USP de Ribeirão Preto.

O Dr. Renato Silveira, que hoje é médico, foi o quinto paciente a fazer o tratamento experimental de transplante de medula para tratamento de diabetes tipo 1. Ele passou 11 anos e meio sem uso de insulina.

O Brasil é o quinto país com maior incidência de diabetes, atrás da China, Índia, Estados Unidos e Paquistão. São quase 17 milhões de diabéticos, e os números seguem subindo.

“Daí a importância de fazer campanha de detecção que pode ser muito fácil, inclusive através da mídia, com perguntinhas muito simples: você é gordinho ou gordinha? Tem mais 45 anos? Tem diabetes na família? Você é mulher e teve bebê pesando 4 quilos ou mais? Você pode ter diabetes e não saber, procure fazer uma dosagem de glicose no sangue”, explica o Dr. Antônio Roberto Chacra, endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês.

Vale lembrar que o diabetes pode ser prevenido e controlado com alimentação saudável e a prática de atividade física.

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”saude” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”ZUgJrxQpJ7w”

O “CNN Sinais Vitais”, com Dr. Roberto Kalil, vai ao ar no sábado, 15 de julho, às 18h, na CNN Brasil.

(Publicado por Marina Toledo)

Compartilhe esta história
Deixe um comentário

Apoios

Baixe o Aplicativo do NINE!

Um portal que vai te apresentar experiências em Turismo, Música, Gastronomia e muito mais.

Para acessar no celular, baixe o App do NINE.

Para IPHONE,
Clique em: