Após anos de declínio, casos de infecção por norovírus aumentam em navios de cruzeiro

Nine
WhatsApp-Image-2022-12-03-at-19.25.48.jpeg

- PATROCINADO -

Seja de Miami, Nova York, Seattle ou outras cidades, milhões de americanos embarcam em navios de cruzeiro nas férias. Mas quando se trata da saúde desses viajantes, isso nem sempre é uma navegação suave.

- PATROCINADO -

Este ano, já foram registrados 13 surtos de norovírus em cruzeiros, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA. Esse é o maior número de surtos de norovírus em cruzeiros registrados desde 2012.

O mais recente surto de norovírus ocorreu em uma viagem da Viking Cruises da Islândia que atracou na cidade de Nova York em 20 de junho. Cerca de 13% dos passageiros e vários membros da tripulação adoeceram a bordo.

“Acreditamos que a doença gastrointestinal se originou de um restaurante à beira-mar na Islândia, onde um grupo de convidados jantou durante seu tempo livre”, disse um representante da Viking.

“Um vírus extraordinariamente contagioso”

O norovírus é um vírus altamente infeccioso que causa inflamação no estômago e nos intestinos, uma condição chamada gastroenterite aguda. Frequentemente rotulado como “problema estomacal”, o norovírus é a causa mais comum de náusea, vômito, diarreia e dor de estômago, de acordo com o CDC.

Uma pessoa pode pegar norovírus ingerindo acidentalmente partículas microscópicas de fezes ou vômito – o que pode acontecer ao entrar em contato com alguém infectado, consumir alimentos ou água contaminados ou tocar em superfícies contaminadas. Embora os sintomas geralmente durem apenas alguns dias, uma pessoa pode ser infecciosa por ainda duas semanas depois.

“Este é um vírus extraordinariamente contagioso”, disse o Dr. William Schaffner, professor de doenças infecciosas da Vanderbilt University. “São necessárias apenas algumas partículas virais normais para iniciar uma infecção em alguém exposto. Em outras palavras, não é necessária uma dose grande”.

Embora não haja remédio para tratar a doença, a maioria das pessoas se recupera totalmente sem tratamento. A terapia de hidratação para repor os fluidos perdidos por vômitos ou diarreia é uma prática padrão para tratar os sintomas.

Ainda assim, para evitar a propagação do norovírus, Schaffner recomenda que os passageiros de cruzeiros tomem precauções extras e lavem bem as mãos com sabão e água morna. Géis antissépticos e desinfetantes para as mãos não são eficazes contra o vírus.

Pessoa lava mãos em pia com sabão
Mulher lava as mãos com sabão / Foto: Divulgação

“No que diz respeito à lavagem das mãos, todos nós fazemos isso desde crianças”, disse Jeffrey Fisher, professor associado de nutrição e dietética da Central Michigan University. “Mas há muitos estudos feitos que dizem que não estamos fazendo isso bem o suficiente ou com a frequência que deveríamos. Por isso, queremos revisitar as melhores práticas de lavagem das mãos”.

Casos crescentes

A causa exata do aumento de casos nos cruzeiros neste ano ainda não está clara, mas os especialistas acreditam que a crescente demanda por cruzeiros e o número recorde de passageiros podem estar por trás disso.

- PATROCINADO -

De acordo com dados do Programa de Saneamento de Embarcações do CDC, o número de surtos de norovírus em navios de cruzeiro atracados nos portos dos EUA teve anos de declínio constante após 2015. As taxas gerais de gastroenterite aguda em navios de cruzeiro nos EUA também diminuíram de 2006 a 2019.

Em resposta à pandemia de Covid-19, o CDC instituiu um aviso de saúde com recomendações contra viagens em navios de cruzeiro por questões de segurança. Os cruzeiros foram limitados, disse a porta-voz do CDC, Kathleen Conley, e os surtos foram poucos, pois o número de passageiros a bordo diminuiu.

Na verdade, o programa não registrou surtos de norovírus em 2020 e 2021, provavelmente devido a cruzeiros limitados e protocolos de saneamento atualizados durante a pandemia de Covid-19. Em março de 2022, porém, a agência suspendeu esse aviso de risco para viagens de cruzeiro e os passageiros estão retornando a taxas recordes.

Espera-se que 31,5 milhões de passageiros em todo o mundo zarpem este ano, superando os níveis pré-pandêmicos e criando ambientes de alta densidade prontos para transmissão.

Surtos de norovírus em navios de cruzeiro aumentam após anos de declínio
No meio do ano, já existem mais surtos confirmados em 2023 do que desde 2012.

Surtos anuais confirmados de norovírus em cruzeiros

Os dados para 2023 são até o final de junho. Outros anos capturam o número total de surtos para o ano civil completo. Fonte: CDC / Deidre McPhillips/CNN

O CDC divulga informações sobre surtos em cruzeiros com mais de 100 passageiros viajando entre três e 21 dias, e quando mais de 3% dos passageiros e tripulantes relatam sintomas. Essas condições foram atendidas 13 vezes este ano, contra duas vezes em 2022.

Quatro surtos de norovírus, envolvendo um total de 449 passageiros e tripulantes, aconteceram a bordo dos navios da Royal Caribbean este ano, o maior número de empresas de cruzeiros individuais, de acordo com dados do CDC.

“A saúde e a segurança de nossos hóspedes, tripulação e comunidades que visitamos são nossa principal prioridade”, disse um porta-voz da Royal Caribbean International. “Para manter os mais altos níveis de saúde a bordo de nossos navios, implementamos procedimentos rigorosos de segurança e limpeza, excedendo em muito as diretrizes de saúde pública”.

Uma tempestade perfeita

Em comparação com a população em geral, os surtos de norovírus são bastante incomuns em navios de cruzeiro. Ele infecta de 19 a 21 milhões de pessoas nos EUA a cada ano, de acordo com o CDC, em comparação com alguns milhares de casos a bordo de cruzeiros.

A transmissão geralmente ocorre em ambientes lotados, onde pequenas partículas podem flutuar no ar, e Schaffner diz que os cruzeiros podem criar o ambiente perfeito para surtos de norovírus. Um grande grupo vivendo e comendo nas proximidades, disse ele, pode servir como um terreno fértil para a doença.

“É uma população fechada: uma população muito grande e compacta que fica junta por longos períodos de tempo, geralmente em locais muito apertados”, disse ele. “Portanto, há muitas oportunidades para as pessoas se encontrarem […] tornando relativamente fácil a transmissão desse vírus”.

Cruzeiro marítimo RIo de Janeiro
Navio de cruzeiro ancorado / Fernando Frazão/Agência Brasil

Os sintomas do norovírus também podem surgir repentinamente, disse ele. Um passageiro pode estar caminhando para sua cabine ou participando de um evento e começar a vomitar abruptamente. Esse vômito é aerossolizado e essas partículas microscópicas flutuantes podem infectar as pessoas próximas.

“Você tem esse vírus altamente transmissível que é introduzido em um ambiente, o navio de cruzeiro, idealmente projetado para a rápida disseminação de uma doença transmissível”, disse Schaffner.

Embora sintomas como diarreia e vômito geralmente desapareçam em alguns dias, eles também podem causar desidratação. Para passageiros mais velhos que podem constituir um número desproporcional de clientes de cruzeiros, alertou Schaffner, a rápida perda de fluidos pode criar o risco de doenças mais graves. Para pessoas com diabetes, a desidratação pode prejudicar as estratégias de tratamento.

Fisher acha que grande parte do problema decorre de uma “lacuna de conhecimento” sobre o vírus entre o público. “As pessoas estão relaxando” à medida que a pandemia de Covid-19 parece diminuir, em vez de permanecerem vigilantes quanto à propagação de doenças.

“Acho que grande parte do público nem entende o norovírus, muito menos como começar a se proteger”, disse ele. “Eles não estão tomando essas precauções, esses bons comportamentos de proteção que aprenderam durante a pandemia”.

Schaffner também suspeita que as pessoas que se sentem mal antes de embarcar estão agora mais inclinadas a zarpar. Ansiosos por férias após um atraso pandêmico de 2 anos e meio, muitos podem estar trazendo o norovírus com eles, sugeriu ele.

“A primeira coisa que os passageiros podem fazer é adiar a viagem se não estiverem se sentindo bem”, recomendou. “Tente limitar a exposição direta de outras pessoas e faça outro cruzeiro um mês depois”.

Além de monitorar surtos de doenças a bordo, o Programa de Saneamento de Embarcações do CDC também exige relatórios periódicos de doenças de navios de cruzeiro, realiza inspeções regulares sem aviso prévio e realiza treinamento para funcionários de navios de cruzeiro sobre saúde pública.

Como precaução, o CDC aconselha os passageiros a lavar bem as mãos, evitar alimentos contaminados e manter as mãos longe da boca. Se um passageiro ficar doente, Schaffner e o CDC recomendam ficar na cabine e notificar a equipe médica do navio imediatamente.

“Deixe que eles assumam e cuidem de você”, disse Schaffner. “Não saia por aí e espalhe o vírus”.

Compartilhe esta história
Deixe um comentário

Apoios

Baixe o Aplicativo do NINE!

Um portal que vai te apresentar experiências em Turismo, Música, Gastronomia e muito mais.

Para acessar no celular, baixe o App do NINE.

Para IPHONE,
Clique em: